sexta-feira, 4 de novembro de 2016

Biodiversidade e desenvolvimento.

A biodiversidade está relacionada à variedade genética das populações e espécies de animais, plantas, microorganismos, algas, liquens, fungos macroscópicos, aos nichos, comunidades e ecossistemas formados pela interatividade constante entre os diferentes organismos. Inclui as variabilidades locais (alfa diversidade), a complementaridade biológica (beta diversidade) e as variações paisagísticas (gama diversidade), ou seja, a totalidade dos recursos biológicos, o patrimônio genético disponível.

A biodiversidade não é estática, está em constante evolução das espécies e organismos, sendo mais concentrada nas regiões tropicais.

A biodiversidade é indispensável ao funcionamento adequado dos ecossistemas. É uma forma de seguro biológico que minimiza os efeitos de mudanças ambientais, facilita as trocas energéticas e as interações inter e intra específicas entre as diferentes espécies e nichos. A conservação da biodiversidade através de reservas do patrimônio natural, áreas de preservação permanentes, unidades de conservação, estações ecológicas, parques, bancos de sementes e do patrimônio genético são fundamentais ao desenvolvimento sustentável da sociedade e do país.


O Brasil possui a maior biodiversidade do planeta: de cada cinco espécies, uma encontra-se em nosso território. Tem o maior número de espécies de mamíferos e peixes de água doce, o segundo de anfíbios, o terceiro de aves e o quinto de répteis. Está em primeiro lugar em diversidade vegetal com mais de 50 mil espécies. A extensão territorial, a grande quantidade de recursos hídricos e a existência de diversos climas são fatores preponderantes que determinam esta liderança.

No aspecto econômico, a biodiversidade é uma grande reserva de recursos que podem ser utilizados na produção de alimentos, novas substâncias farmacêuticas, roupas, cosméticos, turismo e muitas outras áreas com possibilidades econômicas e sociais de melhoria da qualidade de vida.

É indispensável que o país preserve sua diversidade biológica, estabelecendo políticas definidas de investimentos, pesquisas e desenvolvimento de tecnologias, produtos e serviços, garantindo um retorno financeiro por suas patentes, que de acordo com especialistas pode atingir trilhões de dólares.

Antonio Silvio Hendges - Diretor do Cenatec, Professor de Biologia, Pós Graduação em Auditorias Ambientais, articulista no EcoDebate e imprensa ambientalista brasileira. 

EcoDebate, 10/06/2010.

Um comentário: