quinta-feira, 1 de agosto de 2013

Selecionando os auditores para auditorias ambientais

Diagnóstico Ambiental e Sistemas de Gestão Ambiental. Autor: Roberto Naime. ISBN: 85-86661-81-3. Editora Feevale

Diagnóstico Ambiental e Sistemas de Gestão Ambiental. Autor: Roberto Naime. ISBN: 85-86661-81-3. Editora Feevale


Os auditores devem ser objetivos, imparciais e livres de conflitos de interesses. É recomendável que os auditores sejam independentes em relação às atividades que estão sofrendo auditoria. Este critério não obriga a que todos os auditores sejam externos, mas que os auditores internos não estejam vinculados ou subordinados a pessoas e setores que estejam sendo auditados.
Já foi repetidamente descrita a questão da competência dos auditores, que devem possuir conhecimentos, habilidades, atributos e experiência capazes de levar a tarefa a bom termo.
Tanto no diagnóstico ambiental, quanto na auditoria ambiental sistêmica, interna ou externa, quanto na formulação e implantação de Sistemas de Gestão Ambiental (SGA), os atributos pessoais de cada um dos participantes da equipe é fundamental para a obtenção de resultados satisfatórios.
Existem algumas recomendações normatizadas que podem auxiliar na seleção de uma equipe consistente:
  • Entrevistas com os candidatos escolhidos ou potenciais;
  • Avaliações orais ou escritas sobre temas relevantes;
  • Análise de portfólio de trabalhos escritos anteriores dos candidatos;
  • Discussões e debates com ex-empregadores e colegas para formatação do perfil dos candidatos;
  • Simulações de desempenho, com observações e avaliação por parte de colegas, sob condições de auditoria;
  • Análise de currículo, antecedentes educacionais, treinamento e experiência;
  • Considerações sobre formação e qualificação profissionais, mediante certificados.
É uma questão fundamental selecionar pessoas que apresentem equilíbrio entre conhecimento ambiental e domínio de sistemas gerenciais.
Profissionais com extensa experiência em questões ambientais, mas com pouca prática em sistemas de gerenciamento, podem ficar focalizados em detalhes de aspectos ambientais, impactos ambientais, efeitos ambientais ou desempenho – que é mais uma questão da gerência – e relegarem ou não identificarem problemas sistêmicos, que devem ser o foco principal do trabalho.
Com base nas características e no escopo da auditoria, deverão ser identificados os técnicos ou profissionais, do quadro da empresa (internos), ou externos, que apresentem perfil mais adequado ao desempenho das atividades levantadas na pré-auditoria, onde parte da equipe pode estar pré-selecionada, principalmente o auditor-líder.
Deve ser conferida particular atenção à seleção do auditor-líder, já que o mesmo deverá proceder a pré-auditoria e auxiliar na montagem da equipe final. O auditor-líder também será responsável pela interligação entre auditores e a área auditada, padronização de posturas metodológicas, assessoramento para a equipe de auditoria e consolidação dos resultados em relatório final da auditoria.
Dr. Roberto Naime, Colunista do Portal EcoDebate, é Doutor em Geologia Ambiental. Integrante do corpo Docente do Mestrado e Doutorado em Qualidade Ambiental da Universidade Feevale.
O Cenatec recomenda também a leitura dos artigos anteriores desta série:

EcoDebate, 30/07/2013

Nenhum comentário:

Postar um comentário